terça-feira, 24 de novembro de 2009

Poema culinário

No croquete de galinha,
A cebola batidinha
Com duas folhas de louro
Vale mais do que um tesouro
Também dois dentes de alho
Nunca serão espantalho.
(Ao contrário)
E três tomates,
Em vez de causar dislates,
Sem peles e sem sementes,
São ajudas pertinentes
Ao lado do sal, da salsa,
(A receita nunca é falsa)
Todos bóiam na manteiga
De natural doce e meiga.
E para maior deleite,
copo e meio de leite.
Ah, me esqueci: três ovos
Bem graúdos e bem novos
Junto à farinha de rosca
(Espante-se logo a mosca)
a pitada de óleo,
Sem se manchar o linóleo,
E mais farinha de trigo...
Ai, meu Deus, deixa comigo!

Carlos Drummond de Andrade

4 comentários:

birsence disse...

selamm...brezilya yemeklerini hep merak etmişimdir eminim çok güzeldir..
istanbul türkiye

yolanda disse...

Moito obrigada polo teu agradable comentario.
bicos

Zininha disse...

Que diferente este poema amiga!!!
Adorei!!!

Beijos...

Saudades!

Maria disse...

Me encantó el poema!
muy original!
Besos