sábado, 30 de maio de 2009

Advinhas...




O que é, o que é?

1 - Voa pelo ar feito balão, aos vivos dá alimento, aos mortos consolação?
2 -Tem barba, mas não é homem; tem dente mas não é gente?
3 - Para ser direito tem que ser torto?

4 - Por mais que é cortado fica do mesmo tamanho?
5 - Enche uma casa mas não enche uma mão?
6 - Nele, quanto mais se tira, ele maior fica?
7 - Tem mais de vinte cabeças, mas não sabe pensar?
8 - Tem pés redondos e rastro comprido?
9 - Entra na boca da gente todos os dias e a gente não come?
10 - O que tem a idade do mundo e todo mês nasce?

11 - Qual é a carta que nunca leva recado?
12 - Qual é a fruta que todo mundo carrega duas?
13 - Qual é o casal que nunca se encontrou?
14 - Qual é o olho que mais chora?
15 - Qual o pássaro que em gaiola não se prende, só se prende quando se solta, por mais alto que ele voe preso vai e preso volta?

Respostas:
abelha - alho - anzol - baralho - botão - buraco - caixa de fósforo - roda - garfo, colher, escova dental - a lua - A do baralho - mangas da camisa - a noite e o dia - o olho d'água - papagaio de papel

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Festas Juninas...

Casal de Espantalhos

Créditos: Jacirinha



segunda-feira, 25 de maio de 2009

assinaturas personalizadas
Alguns dos principais símbolos da festa junina:

Fogueiras: todos se reúnem par dançar e comemorar em volta da fogueira!
A fogueira tem outros significados milenares: proteção contra maus espíritos, purificação, agradecimento e homenagem aos santos da Festa(Santo Antônio, São João e São Pedro Santo Antônio).
Fogos de artifício: Segundo a tradição popular, o barulho dos fogos de artifício espanta maus espíritos e acorda São João para a festa.
Balões: Simbolizam a oferenda aos céus para a realização de pedidos ou agradecimento de desejos satisfeitos. Porém soltar balões é bem perigoso, pode causar grandes incêndios. Uma boa solução é confeccionar balões coloridos para enfeitar a festa.
Lavagem do santo: A tradicional lavagem de São João, no dia 24 de junho, é para simbolizar o batismo. Segundo a crença popular, no momento da lavagem a água do rio passa a ter poderes de cura. É por isso que os participantes molham os pés, o rosto e outras partes do corpo e guardam um pouco de sua água.
Levantamento do mastro: O mastro de São João é fincado no solo simbolizando o desejo de fertilidade da terra, de boa colheita. Apesar de ser "de São João", os três santos homenageados estão representados em sua ponta.
Casamento caipira: Uma das mais divertidas tradições das festas juninas é o casamento caipira – também chamado de "casório matuto" ou casamento na roça. A representação é cheia de brincadeira e gozações. A história sofre pequenas variações, mas o enredo é sempre o mesmo: a noiva fica grávida antes do casamento e os pais obrigam o noivo a se casar com ela. Desesperado, o noivo tenta fugir, mas é impedido pelo delegado e seus soldados, que arrastam o "condenado" ao altar e vigiam a cerimônia. Depois que o casamento é realizado, inicia-se a quadrilha.
Os diálogos podem ser criados livremente, desde que as personagens se preocupem em carregar bastante no sotaque caipira.
Depois de realizado o casamento todos vão comemorar e começa a Quadrilha!
Pau-de-sebo: É uma das brincadeiras mais comuns das festas juninas e tem origem portuguesa. Prêmios são colocados na ponta de um mastro engraxado com sebo. Ganha quem conseguir escalar o mastro, que tem no mínimo 5 metros de altura, e pegar a prenda.
Quadrilha: Em 1808, com a chegada da Corte portuguesa ao Brasil, difundiu-se, entre outras coisas, uma dança de origem francesa que logo caiu no gosto popular e foi incorporada às festas juninas: a quadrilha. Além dela, atualmente também são comuns folguedos e danças específicas de cada região do país.
Na quadrilha, homens e mulheres, de braços dados, entram em fila, puxados pelo "marcante" e pelo "contramarcante", que determinam a ordem dos passos.
Significado de alguns comandos da quadrilha (origem francesa):
- Balancê (Balancer): Os casais dançam juntos balançando em seus lugares.
- Cumprimento vis-à-vis; anavan; tu (Vis-a-vis; en avant; tout): Em filas defronte uma da outra, homens e mulheres avançam até se encontrar e se cumprimentam.
- Anarriê (En arrière): Homens e mulheres voltam a seus lugares.
Balancê com seus pares. Tur (Tour):Os pares, rodando, dão uma volta, no mesmo lugar.
Otrefoá (Autrefois):Repetem o Balancê.
Viravortê: Em círculo, cada cavalheiro passa a dama para o cavalheiro de trás. O mesmo passo é repetido até que todas alcancem seus pares.
Caminho da roça - As damas vão puxando os cavalheiros formando um grande círculo e depois voltando para a formação em fila.
Olha a chuva! - Os pares dão meia volta.
Já passou! - Todos fazem meia volta novamente dizendo:"Ehh!"
Olha o túnel - Um par coloca os braços para o alto segurando as mãos formando um túnel e os demais vão passando por baixo e se colocando adiante na mesma posição, alongando o túnel.
- Cestinha de flores: As damas levantam os braços por cima dos ombros e dão as mãos aos seus cavalheiros.
Créditos:www.qdivertido.com.br

sábado, 23 de maio de 2009

Hummm...







Pamonha doce
Tempo de preparo: 1h
Rendimento: 8 porções
Ingredientes
12 (doze) espigas de milho verde
1 (um) copo de água
2 (duas) xícaras de açúcar
1 (uma) xícara de coco ralado fino
1 (uma) pitada de sal
palhas para a embalagem

Modo de Preparo
Rale as espigas ou corte-as rente ao sabugo e passe no liquidificador, juntamente com a água
Acrescente o coco, o açúcar e mexa bem.
Coloque a massa na palha de milho e amarre bem.
Em uma panela grande ferva bem a água, e vá colocando as pamonhas uma a uma após a fervura completa da água.

Importante : a água deve estar realmente fervendo para receber as pamonhas, caso contrário elas vão se desfazer
Cozinhe por mais ou menos 40 minutos, retirando as pamonhas com o auxílio de uma escumadeira. Deixe esfriar em local bem fresco. Sirva com café e queijo ralado.

Minuto Poético


Créditos: E. Pioneira, Ilustrações de Marchi)© Regina Sormani
vivaolivroinfantil.blogspot.com



Pé de moleque
Receita de Noemia Gozo Raimundo

Tempo de preparo:30min
Rendimento: 20 porções

Ingredientes
1/2 quilo de amendoim crú
4 xícaras (chá) de açúcar
1 lata de leite condensado
Modo de Preparo
Levar o amendoim misturado com o açúcar ao fogo.
Logo que o açucar derreter, acrescentar o leite condensado, misturando sempre até ficar amarelo.
Colocar ainda quente em forma retangular untada com manteiga.
Depois de frio cortar em quadradinhos.

domingo, 17 de maio de 2009

O céu fica todo estrelado...


Clique e receba
Festas Juninas
Tudo o que você não sabia sobre elas
Sua história
A tradição de festejar o mês de junho antecede o nascimento de Cristo. Para os antigos, o verão, que nos países do hemisfério norte se inicia nessa época, era sinal do início das colheitas. Numa época em que as alterações climáticas eram vistas como sinais dos deuses, o fogo representava proteção contra a falta de chuvas, as pestes e a seca. Desde os tempos pagãos a data é comemorada com fogueira, dança, música e muita comida.
Somente no século 6º o catolicismo passou a associar esta celebração ao aniversário de São João. No século 13 os portugueses incluíram São Pedro e Santo Antônio nas festanças e desde 1583 a data é comemorada no Brasil. Vários novos elementos foram incluídos nas comemorações ao longo dos anos.
A quadrilha, por exemplo, chegou ao país no século 19, trazida pela corte real portuguesa. Inicialmente dançada apenas pela nobreza, ela se popularizou e atingiu a roça. Originária da França (quadrille), antigamente a quadrilha era muito apreciada pela aristocracia européia.
As festas juninas costumam ser muito animadas, e além da fogueira e da quadrilha, existe a tradicional queima de fogos de artifício, como bombinhas e rojões, para espantar o mau-olhado, e o lançamento de balões, que devem levar pedidos de graças para São João. Outro item que não pode faltar é o pau-de-sebo: um tronco de árvore com quatro metros ou mais de altura é todo coberto com sebo animal e o grande desafio é atingir o seu topo e pegar as prendas ali colocadas.
Apesar de o elemento chave das festas ser a descontração e a alegria, cada região do Brasil apresenta suas particularidades. No Rio Grande do Sul, por exemplo, os participantes não aderem aos trajes caipiras e comemoram com o vestuário típico da região, como a bombacha, sob o ritmo do vanerão. Já no nordeste, os ritmos que imperam são o forró, o baião e o xaxado.
Agora que você sabe a história, vamos ver outras coisas muito importantes dessa festa que é tradicionalmente conhecida em todo o país!
Créditos: Bol - Brasil On Line
Recados para Orkut
Simpatias
1- Sabedoria da bananeira
Na noite de São João, de 23 para 24, deve-se enfiar uma faca virgem (nova) no tronco de uma bananeira. No dia seguinte, de manhã bem cedo, retire a faca que nela aparecerá o nome do(a)futuro(a) noivo(a).
2-Papéis mágicos
Na noite de São João, escreva em pequenos papéis o nome de vários(as) pretendentes. Enrole-os e jogue-os em uma bacia ou copo d'água. O papel que se desenrolar primeiro indicará o nome do(a) futuro(a) companheiro(a).
3- Três rosas vermelhas
Coloque três rosas vermelhas debaixo do seu travesseiro na véspera do dia em que se comemora Santo Antônio. Tire os espinhos antes, por favor! Depois, durma: você irá sonhar com o seu futuro marido!

quinta-feira, 14 de maio de 2009

O que é o que é que...


1 - Tem asa, tem bico e fica embaixo da cama. O que é?
2 - Na água nasci, na água me criei mas se me jogarem na água morrerei. Quem sou?
3 - O que é, o que é: de dia fica no céu e de noite na água?
4 - Porque algumas pessoas colocam o despertador debaixo do travesseiro?
5 - O que é, o que é que quando mais se perde mais se tem?
6 - O que é, o que é que tem cinco dedos mas não tem unha?
7 - A filha é verde, a mãe encarnada, a filha é mansa, a mãe é danada. Quem são?
8 - Casinha do bem querer que nenhum carpinteiro sabe fazer. O que é?
9 - O que é, o que é que só fica alegre quando apanha?
10 -O que é, o que é que nos podem tirar antes de termos?
Respostas: é bule...hehehe... o bule é meu e eu coloco onde quiser...hehehe - o sal - dentadura - para acordarem em cima da hora - o sono - luvas - a pimenta - o ovo - o pandeiro - o retrato

terça-feira, 12 de maio de 2009

Uma data muito especial...












16 DE MAIO - DIA DO GARI - DIA DO FAXINEIRO

No Brasil, os garis são os profissionais da limpeza que recolhem o lixo das residências, indústrias e edifícios comerciais e residenciais, além de varrer ruas, praças e parques. Também capinam a grama, lavam e desinfetam vias públicas. Apesar de imprescindíveis para a manutenção da limpeza das cidades, o gari quase sempre passa despercebido nas ruas. As pessoas costumam considerar o trabalhador braçal apenas como sombra na sociedade, seres invisíveis, sem nome. O gari enfrenta o drama da “invisibilidade pública”, ou seja, uma percepção humana totalmente prejudicada e condicionada à divisão social do trabalho, onde se enxerga somente a função e não a pessoa.
Em Portugal, eram conhecidos como "almeida", em homenagem a um cidadão com Almeida no nome, que foi diretor-geral da limpeza urbana da capital portuguesa. O nome gari também é uma homenagem a uma pessoa que se destacou na história da limpeza da cidade do Rio de Janeiro - o francês Aleixo Gary.
O empresário Aleixo Gary assinou contrato, em 11 de outubro de 1876, com o Ministério Imperial para organizar o serviço de limpeza da cidade do Rio de Janeiro. O serviço incluía remoção de lixo das casas e praias e posterior transporte para a Ilha de Sapucaia, onde hoje fica o bairro Caju. Ele permaneceu no cargo até o vencimento do contrato, em 1891. Em seu lugar, entrou o primo Luciano Gary. A empresa foi extinta um ano depois, sendo criada a Superintendência de Limpeza Pública e Particular da Cidade, cujos serviços deixavam a desejar.
Em 1906, a superintendência tinha 1.084 animais, número insuficiente para carregar as 560 toneladas de lixo da cidade. Assim, da tração animal passou-se à tração mecânica, e depois ao uso do caminhão.