quinta-feira, 27 de maio de 2010

Um sonho...

Na messe , que enlourece, estremece a quermesse...
O sol, celestial girasol, esmorece...
E as cantilenas de serenos sons amenos
Fogem fluidas, fluindo a fina flor dos fenos...

As estrelas em seus halos
Brilham com brilhos sinistros...
Cornamusas e crotalos,
Cítolas, cítaras, sistros,
Soam suaves, sonolentos,
Sonolentos e suaves,
Em suaves,
Suaves, lentos lamentos
De acentos
Graves
Suaves...

Flor! enquanto na messe estremece a quermesse
E o sol, o celestial girasol, esmorece,
Deixemos estes sons tão serenos e amenos,
Fujamos, Flor! à flor destes floridos fenos...

Soam vesperais as Vésperas...
Uns com brilhos de alabastros,
Outros louros como nêsperas,
No céu pardo ardem os astros...

Como aqui se está bem!
Além freme a quermesse...
- Não sentes um gemer dolente que esmorece?
São os amantes delirantes que em amenos
Beijos se beijam, Flor! à flor dos frescos fenos...

As estrelas em seus halos
Brilham com brilhos sinistros...
Cornamusas e crotalos,
Cítolas, cítaras, sistros,
Soam suaves, sonolentos,
Sonolentos e suaves,
Em suaves,
Suaves, lentos lamentos
De acentos
Graves,
Suaves...

Esmaiece na messe o rumor da quermesse...
- Não ouves este ai que esmaiece e esmorece?
É um noivo a quem fugiu a Flor de olhos amenos,
E chora a sua morta, absorto, à flor dos fenos...

Soam vesperais as Vésperas...
Uns com brilhos de alabastros,
Outros louros como nêsperas,
No céu pardo ardem os astros...

Penumbra de veludo. Esmorece a quermesse...
Sob o meu braço lasso o meu Lírio esmorece...
Beijo-lhe os boreais belos lábios amenos,
Beijo que freme e foge à flor dos flóreos fenos...

As estrelas em seus halos
Brilham com brilhos sinistros...
Cornamusas e crotalos ,
Cítolas, cítaras, sistros ,
Soam suaves, sonolentos ,
Sonolentos e suaves ,
Em suaves ,
Suaves, lentos lamentos
De acentos Graves,
Suaves...

Teus lábios de cinábrio, entreabre-os! Da quermesse
O rumor amolece, esmaiece, esmorece...
Dê-me que eu beije os teus morenos e amenos
Peitos! Rolemos, Flor! à flor dos flóreos fenos...

Soam vesperais as Vésperas...
Uns com brilhos de alabastros,
Outros louros como nêsperas,
No céu pardo ardem os astros...

Ah! não resista mais a meus ais! Da quermesse
o atroador clangor,o rumor esmorece...
Rolemos, ó morena! em contactos amenos!
- Vibram três tiros à florida flor dos fenos...

As estrelas em seus halos
Brilham com brilhos sinistros...
Cornamusas e crotalos,
Cítolas, cítaras, sistros,
Soam suaves, sonolentos,
Sonolentos e suaves,
Em suaves,
Suaves, lentos lamentos
De acentos Graves, Suaves...

Três da manhã. Desperto incerto... E essa quermesse?
E a Flor que sonho? e o sonho? Ah! tudo isso esmorece!
No meu quarto uma luz, luz com lumes amenos,
Chora o vento lá fora, à flor dos flóreos fenos...


Eugênio de Castro

6 comentários:

Claudia disse...

Hola Ines, precioso tu blog como siempre. Un gusto visitarte.
Que tengas un lindo fin de semana.
Cariños.

Antonella-Vera55 disse...

Ciao Ines,bellissime parole che scaldano il cuore.un buon weekend e un abbraccio

september cottage disse...

Hello Ines!

Thank you so much for visiting all the way from Brazil!!! VERY exciting! Unfortunately, my google translator did not do a very good job and my school Spanish is VERY poor and I guess it is South American Spanish you are writing in anyway - understood a few words, but nevertheless - it was nice of you to stop by!

Have a great weekend!

Regards from

Nicola

Carla disse...

Oi, obrigado pela visita e encantador comentário, amei mesmo. Vou espreitar por aqui. Beijão e um bom fim de semana

disse...

Oi lindinha, pensei que não me amavas mais... rs
Amei sua visitinha calorosa e mais ainda de vir aqui e encontrar essa belezura toda!!
Bjssssssssssss

Elia disse...

Ohh qué hermoso!!! gracias por este despertar que tengas una gran semana
abrazos
eljardindmeiduende