quinta-feira, 1 de julho de 2010

Desconfie do destino e...

...acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando... Porque embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive, já morreu...
Luiz Fernando Veríssimo

11 comentários:

Sonhadora disse...

Minha querida Inês
Uma verdade absoluta neste texto.

Beijinhos
Sonhadora

Maria disse...

Hola Ines
Excelentes consejos!!!
Muchas veces vivimos el futuro y nos olvidamos del presente.
Suerte para mañana en el partido de Brasil!!!
Besos

Magalis Marisol disse...

Hola amiga!!!
Una linda reflexión!!!
Suerte para Brazil!!!
Que Dios te Bendiga Hoy y Siempre y un fuerte abrazo desde Venezuela!!!

Gonzalo g. Arroyo disse...

que bonito lo que escribes. gracias por visitar mi espacio.

muchos besos

moderato_Dos_josef disse...

belo poema lindo minha amiga brasileira.
Desejo-lhe muita felicidade.
Besos.

Elia disse...

Buen fin de semana
se muy feliz
bss
eljardindemiduende

Andradarte disse...

Verdades são verdades...há que
constata-las.
Beijo

Older disse...

Vim agradecer sua visita e conhecer seu cantinho.Gasto muito tempo sonhando, planejando, realizando e vivendo.
Bjs e bom final de semana.

Santa Cruz disse...

Olá Inês; obrigada pela sua visita e pelo seu comentário, este teu post diz grande verdade, há que diga que nascemos com o destino marcado eu como estudei Teologia, digo que isso não é totalmente verdade, porque parte senão todo do nosso destino somos nós que programamos e nem sempre é como queremos, mas não é so Deus que marca o nosso destino porque se fosse só ele este mundo era uma maravilha todos eramos felizes não haveria fome nem Guerras.
Amiga vou seguir teu blog.
Um beijo
Santa Cruz

Gilmar disse...

Inês!
Primeiro preciso agradecê-la pelo comentário. Em seguida, dizer que gosto da sua cidade, Itabira, até mesmo por conta do poeta que ela guarda na história. Depois, dizer ainda que gosto do seu blog multifacetado, transitando nas mais diversas reflexões.
Por fim (ufa!), dizer do Veríssimo! É lícito a crença em si mesmo, mas é legítimo que a utopia persista. Não o sonho deslocado, açucarado na inocência ou ingenuidade. Falo do sonho enquanto projeto de vida, enquanto valores como eixo norteador das ações. Sonho enquanto construção gradativa que se faz, de si mesmo. Enquanto rumo, norte, direção. Já o ritmo e a intensidade dos passos resultam de outras escolhas...

Grande abraço!

Machado de Carlos disse...

Seja bem-vinda ao meu espaço. Foi com muita alegria que recebi você por lá. Seguirei os seus caminhos por aqui.

Beijos.